quinta-feira, 27 de agosto de 2015

RECRIANDO A REFEIÇÃO IDEAL DE UM HOBBIT FAMINTO: PEIXE COM BATATAS



Depois do sucesso de crítica e bilheteria que foi a trilogia “O Senhor dos Anéis” (2001, 2002 e 2003),  foi com muita expectativa que os fãs receberam a notícia que uma nova adaptação da obra de J.R.R. Tolkien – “O Hobbit” – chegaria aos cinemas.  Entretanto, antes que essa nova trilogia chegasse às telonas, um complicado processo de pré-produção e muita instabilidade nos bastidores marcaram a execução da nova saga da Terra Média.
O diretor Peter Jackson (o mesmo de “O Senhor dos Anéis”) tinha, inicialmente, planejado apenas dois filmes onde ele seria o co-produtor e Guillermo del Toro (de “O Labirinto do Fauno”) seria o diretor. Em 2010, depois de dois anos dedicado ao projeto, Del Toro pediu para ser desligado devido aos problemas financeiros da MGM. Jackson assumiu a direção em outubro do mesmo ano, começando as filmagens no ano seguinte. Logo em seguida, os estúdios (sempre eles) decidiram que o melhor seriam três filmes ($$$) e assim um livro de cerca de 300 páginas para crianças virou uma complexa jornada de fantasia com guerras e etceteras.

As liberdades que Jackson e sua equipe adotaram nos filmes geraram muitas críticas, entre os fãs e a crítica especializada. Começando com “Uma Jornada Inesperada” e seguido de “A desolação de Smaug” e “A Batalha dos Cinco Exércitos”. Os elfos Tauriel (Evangeline Lilly) e Legolas (Orlando Bloom), por exemplo, não estão no livro, o que causou a ira da ala xiita dos adoradores da Terra Média. Muitos questionaram os interesses por trás disso, que resultou numa história deliberadamente esticada para atender expectativas comerciais.

Mesmo que as adaptações de livros para o cinema carreguem o fardo histórico de sempre serem inferiores que sua versão original, as alterações em “O Hobbit” são muito questionáveis. Porém, de forma alguma os três filmes deixam de ser uma boa experiência cinematográfica. Ao contrário: quando pesamos na balança, o saldo é positivo, com uma trama bem orquestrada e uma magnifíca composição visual, já comum aos filmes de Jackson.
Para a receita desse post, vamos seguir do Condado dos Hobbits rumo a Mordor e encontrar Frodo, Sam e Gollum tentado se livrar do famigerado anel. Em “Senhor do Anéis – As Duas Torres” (2002), nossos heróis estão padecendo com as adversidades da jornada (fome, frio, cansaço).

Em uma cena em particular, Smeagol/ Gollum caça um coelho para oferecer ao mestre Frodo. Sam, fiel escudeiro e exímio cozinheiro, improvisa um ensopado. Mas o que ele queria mesmo era pode acrescentar batatas. Ah batatas! Nas palavras de Sam: “Cozidas, amassadas, ensopadas... adoráveis fatias douradas com um bom pedaço de peixe frito”.

Então, atendendo aos ANSEIOS DE SAM e saindo desse momento de sofrência dos personagens,  a receita de hoje é: PEIXE COM BATATAS só que ao invés de FRITO, será ASSADO. Fora que é bem mais simples e acessível que ensopado de coelho.
A receita é do Panelinha.

Veja a cena aqui: 



INGREDIENTES:

800 g de bacalhau em postas;
2 cebolas;
2 tomates;
1 pimentão verde;
1 pimentão vermelho;
1 kg de batata;
1 xícara (chá) de azeitonas pretas;
250 ml de azeite;
pimenta-do-reino a gosto





MODO DE PREPARO:

Numa tigela, coloque o bacalhau e cubra com água. Deixe de molho por 12 horas e troque a água pelo menos 5 vezes.

Corte as cebolas e os tomates em rodelas. Corte os pimentões ao meio no sentido do comprimento. Retire as sementes e corte cada metade em cubos. Descasque as batatas, coloque numa panela, cubra com água e adicione 1 colher (chá) de sal. Leve ao fogo alto e, quando ferver, deixe cozinhar por 10 minutos. Para verificar o ponto, espete um garfo, as batatas devem estar macias.

Escorra a água e deixe as batatas esfriarem. Corte-as em rodelas de 1 cm de espessura.
Em outra panela, coloque o bacalhau dessalgado e cubra com água. Leve ao fogo alto e deixe ferver por 5 minutos. Desligue o fogo e escorra a água.

Preaqueça o forno a 180ºC (temperatura média).

Num refratário, espalhe o bacalhau e arrume todos os outros ingredientes por cima. Regue com o azeite de oliva e polvilhe com a salsinha. Cubra com papel-alumínio e leve ao forno por 30 minutos.
Retire o papel-alumínio e deixe assar por mais 15 minutos. Sirva bem quente.





terça-feira, 18 de agosto de 2015

"A DAMA DOURADA" E A CULINÁRIA AUSTRÍACA



“A Dama Dourada”, já em cartaz nos cinemas brasileiros, conta a história, baseada em fatos reais, de Maria Altmann – uma cidadã austríaca que emigrou para os Estados Unidos nos calores da 2ª Guerra Mundial. Vivida por Hellen Mirren em sua fase adulta, Altmann é herdeira por direito de cinco obras do pintor simbolista Gustav Klimt, entre  elas o retrato de Adele Bloch-Bauer I, também conhecida com “A Dama Dourada”.  Esse e outros trabalhos de artes, que pertenciam a família de Maria, foram furtadas pelos nazistas durante a ocupação da Áustria em 1938.



Em 1998, Maria trava uma 
intensa luta jurídica para reaver sua herança coma ajuda do advogado E. Randol Schoenberg, que foi interpretado por Ryan Reynolds. Apesar de Reynolds ser um ator dramático limitado, ele consegue uma ótima química com Mirren e a relação dos dois é um dos pontos mais fortes do filme.


Livremente inspirado no livro-reportagem de Anne –Marie O’Connor, o filme é uma mescla de suspense com drama de tribunal. O diretor Simon Curtis (de “Sete Dias Com Marilyn”), imprime um bom ritmo de tensão ao retratar a fuga de Maria e seu Marido para a América bem equilibrado com cenas emocionantes na retratação da opressão sofrida pelos judeus.

Mas o que  é mais legal desse filme, é conhecermos um pouquinho mais da Áustria, um belo país com paisagens deslumbrantes e pólo cultural. Vale a pena conhecer também a culinária local que, assim como a alemã, é muito rica e deliciosa.

Confira aqui uma receita de Schnitzel com purê de maça, prato típico da região.

Schnitzel

Ingredientes:

bifes de lombo de porco
farinha de rosca o quanto baste
farinha de trigo o quanto baste
2 ovos inteiros batido
Sal e pimenta do reino
Óleo para fritar

Purê de Maçã:

Ingredientes:

3 maçãs, descascadas e sem sementes
2 colheres sopa de manteiga
1 colher sopa de azeite
1 colher chá de canela
1 colher chá de noz moscada
2 colheres sopa de açúcar mascavo
suco de 1 laranja bem madura






Modo de preparo:

Derreta a manteiga junto com o azeite e adicione os temperos com o suco de laranja. Misture bem, cozinhe por 3 minutos, e adicione as maçãs, fatiadas. Deixe cozinhar em fogo baixo por cerca de 20 minutos. Depois passe a mistura em um mixer ou no liquidificador para que vire um purê.
Abra bem os bifes com o auxílio de um martelo de carne até que fiquem bem largos e fininhos. Tempere com sal e pimenta.
Disponha a farinha de trigo, a farinha de rosca e o ovo batido em pratos largos.  Pegue o bife temperado, passe na farinha de trigo, depois no ovo, depois na farinha de rosca e reserve.
Aqueça bem o óleo numa frigideira antiaderente. Frite os bifes empanados por imersão. Use uma toalha de papel para absorver o excesso de gordura.

Sirva com uma salada de rúcula ou agrião. 



quarta-feira, 12 de agosto de 2015

DOIS FILMES, UM TEMA E UM PRATO - CRÍTICA DE "REAL BELEZA" E "LINDA DE MORRER"


Dois filmes nacionais exploram o tema da beleza com pegadas bem diferentes: “Real Beleza”, de Jorge Furtado, já está em cartaz, e “Linda de Morrer”, de Cris D’Amato, previsto para estrear em todo o Brasil no dia 20 de agosto.

O veterano Jorge Furtado, abandona sua zona de conforto das comédias (“O Homem Que Copiava” e “Meu Tio Matou Um Cara”) para apostar em um drama com nuances melodramáticas. O resultado é o filme “Real Beleza”, estrelado pelo também casal na vida real Vladimir Brichta e Adriana Esteves. A produção é, na verdade, uma bela reflexão sobre o tempo, algoz da beleza em muitos sentidos.

Na história, João, o fotógrafo vivido por Brichta, encontra na jovem Maria a resposta para seu dilema profissional. Ele só não contava que os pais da menina, em especial o pai (Francisco Cuoco em grande atuação), não estariam dispostos a deixar a filha abdicar dos estudos para seguir a carreira de modelo.

Comprometido a fazê-los mudar de ideia, João vai até a casa da menina e, para sua surpresa, Maria está fora da cidade, acompanhando o pai em uns exames. Na casa está apenas a mãe – Anita (Adriana Esteves). João acaba sendo convencido por Anita a pernoitar na propriedade e eles, inevitavelmente, se envolvem.

Muito além dessa história não tão romântica mas muito melancólica, “Real Beleza” propõe o diálogo sobre o verdadeiro sentido do belo, seja ela na forma da jovem Maria ou no olhar cansado, porém profundo e sábio de Anita. O contraste entre o efêmero e o eterno, chega nas ponderações francas de Pedro (o pai) que em vários diálogos com João revela que leu muitos livros, mas não escreveu nada, apreciou muitos quadros mas não pintou nada, ouviu muitas sinfonias, mas não compôs nada. O desespero de não ter construído um legado o faz repensar sua própria existência e nos faz pensar sobre a vida que escolhemos viver e a herança que devemos deixar.


Essa mesma reflexão chega por outra via, através da comédia “Linda de Morrer”, estrelada por Glória Pires e sua filha Antonia Morais. Usando o viés cômico, o filme se propõe não só a entreter mas fazer as pessoas pensarem em temas como vaidade, excessos e egoísmo. Apesar de ser uma comédia fraca que abusa de lugares comuns e atuações caricatas, o filme tenta, ao menos, oferecer algum tipo observação sobre os abusos estéticos cometidos por muitas mulheres.

No filme, a doutora Paula Lins descobre a cura da celulite através de uma pílula que supostamente não tem efeitos colaterais. Entretanto, a própria Paula acaba vítima dos efeitos do seu medicamento e caba morrendo em plena festa de lançamento de seu produto. Depois de descobrir o que aconteceu, já no além, ela (em forma de espírito) vai atrás Daniel, que tem o “dom” de ver e ouvir espíritos. Ela espera que o rapaz a ajude a revelar os perigos de tomar a droga e assim salvar a vida de várias mulheres.

No embate entre drama e comédia, entre um filme bom e um regular e entre Beatriz e Inês (Glória Pires e Adriana Esteves são antagonistas na novela “Babilônia”) ficam duas produções que exploram a estética mas que alcançam diferentes resultados.


*****
No prato:

“Real Beleza” se passa no sul do Brasil e tem várias cenas à mesa. Em uma dessas cenas, os personagens comem um prato bem típico da região que é o bolo do milho – uma receita tradicional e muito simples de fazer.

Veja o passo a passo:

Bolo de Milho

Ingredientes:

1 lata de milho verde
2 xícaras de chá de açúcar
2 xícaras de chá de leite
1 xícara de chá de coco ralado
4 ovos
4 colheres de sopa de manteiga
4 colheres de sopa de farinha de trigo
1 colher de sopa de fermento em pó
Açúcar de confeiteiro para enfeitar

1 lata de milho verde
4 ovos
2 xícaras de açúcar
1 xícara de coco ralado
4 colheres de farinha de trigo
4 colheres de manteiga

2 xícaras de leite
Modo de Preparo:

Bata todos os ingredientes em um liquidificador e despeje a massa batida em uma assadeira untada. Leve ao forno à 180ºC até dourar por cima. Atenção: a consistência desse bolo é mais cremosinha mesmo, por isso recomento usar uma assadeira retangular para que asse de forma mais homogênea.  

MISSÃO: IMPOSSÍVEL - NAÇÃO SECRETA - REVIEW


Chega aos cinemas nesta quinta-feira, 13 de agosto , “Missão: Impossível – Nação Secreta”, quinto capítulo da franquia mais bem sucedida do astro Tom Cruise. Do alto de seus 53 anos, Cruise é um dos atores mais dedicados em atividade, entregando-se arduamente a sua composição de personagem e tentando se superar em cada cena de ação. Só para dar um exemplo, a sequência onde o ator se pendura de um avião em plena decolagem foi feita pelo próprio Cruise sem o auxílio de dublês.

Christopher McQuarrie abraça as funções de roteirista e diretor com inteligência ímpar (ele já recebeu o Oscar de Melhor Roteiro por “Os Suspeitos” de 1995), entregando um filme recheado com ótimas cenas de ação, equilibrada com uma história contundente de espionagem e um roteiro inteligente e divertido. McQuarrie, que já trabalhou com  Cruise em  “Jack Reacher: O Último Tiro” (2012)  e “No Limite do Amanhã” (2014), foi especificamente solicitado pelo ator depois que Brad Bird, diretor de “Missão: Impossível - Protocolo Fantasma” (2011), decidiu se afastar do projeto para cuidar de “Tomorrowland: Um Lugar Onde Nada é Impossível” (2015). 

Na história, depois da FMI (Força Missão Impossível) ter sido desmantelada pelas ações da CIA, Ethan Hunt encontra-se sozinho no campo, desacreditado e perseguido, com sua cabeça a prêmio. Ele consegue recrutar seu fiel amigo Benji (Simon Pegg) para tentar encontrar o líder de uma associação terrorista conhecida com Sindicato e assim limpar seu nome e restabelecer a FMI.

Nessa confusão, cruza o seu caminho a espiã ilsa (a sueca Rebecca Ferguson) quem não se sabe se está ali para ajudar ou atrapalhar os eforços de Hunt. Ferguson, à propósito, é uma das grandes revelações do longa. Ela consegue interpretar uma agente ao mesmo tempo bela e feminina, mas incrivelmente ágil e durona. Simon Pegg, que é um excelente ator de comédia, está ótimo no papel secundário que garante os melhores momentos de alívio cômico do filme ao lado de Jeremy Renner e Ving Rhames.  

Tom Cruise está impecável como Ethan Hunt, de longe o personagem mais icônico de sua longa carreira. Vale lembrar que o primeiro “Missão Impossível” chegou às telas em 1996, pelas mãos de Brian de Palma. De lá para cá, 19 anos se passaram. Depois de receber a direção de John Woo, em 2000, de J.J. Abrams em 2006, e Brad Bird de 2011, “Nação Secreta” traz um novo fôlego a franquia e mostra que as missões impossíveis ainda estão longe de acabar. 

Veja o trailer:


sexta-feira, 7 de agosto de 2015

QUARTETO FANTÁSTICO - REVIEW


Esta semana fui conferir a estreia de “Quarteto Fantátisco”, nova empreitada da Fox em levar para o cinema a história de quatro seres dotados de poderes especiais criada por Stan Lee e Jack Kirby na década de 60.

O que se pode dizer de um filme que já nasceu condenado? Feito dez anos depois da fracassada primeira adaptação que contava com Jessica Alba e Chris Evans no elenco (francamente é o que me lembro) para que a Fox pudesse manter os direitos sobre “Quarteto”, esse filme já vem sendo massacrado pela crítica e os dados divulgados até agora mostram que a galera não foi conferir a produção nos cinemas.

Vamos fazer assim: vou listar os pontos positivos do filme e os pontos negativos, assim você espectador julgará se vale a pena investir seu dinheiro na bilheteria ou se vai esperar passar na TV aberta.

Jogando a favor:

1- Influência do Universo Ultimate: essa versão bebe na fonte explorada com sucesso nos quadrinhos contando com viagens interdimensionais e um elenco mais jovem.

2- Irmãos Storm: os irmãos Sue e Johnny Storm apresentam uma nova dinâmica familiar – Sue é adotada pela família de Johnny que é negro. Originalmente, os dois eram gêmeos. Essa nova interpretação oferece uma visão diferente da relação familiar dos dois.

3- Enfoque: O longa, por ser basicamente um filme de origens, é totalmente calcado em apresentação. Ou seja, é preciso explicar muita coisa para construir uma história. Explorando um viés moderno e focando na base científica, a história é muito mais uma ficção-científica do que um filme de heróis. O que é algo diferente e dá um certo frescor à franquia.

4- Influências: “Scanners – Sua Mente pode Destruir” (1981) e “A Mosca”  (1986), ambos de grande David Cronenberg são refências diretas ao estilo visual e de roteiro adotado pelo diretor Josh Trank.

5- Elenco: Miles Teller (Whiplash), Kate Mara (House of Cards), Michael B. Jordan (Poder Sem Limites) e Jamie Bell (Billy Eliot) são excelentes atores, como provam seus trabalhos anteriores. E são grande destaque do filme. Eles conseguem passar a carga dramática necessária que esse tipo de produção demanda sem comprometer o fato de seus personagens implicarem cenas de luta e ação.

Jogando contra:

1- Dr. Destino: apresentado como um personagem reflexo negativo de Reed Richards (Miles Teller), Victor Von Doom é um cientista prodígio com ares paranóicos e toques ambientalistas (oi?). Um mimimi sobre como os humanos malvados destruiram a Terra e agora eles merecem ser destruídos. Um vilão muito mal construído e muito mal explorado. Um desperdício, onde sua presença nunca se paga.

2- Ritmo: O ritmo é moroso e o espectador pode ficar irritado, olhando para o relógio, esperando uma explosão ou qualquer coisa mais agitada. Justamente por ser um filme introdutório , as cenas de ação ficam reservadas para o final da película e, sinceramente, o confronto final é decepcionante.

3- Roteiro: A estrutura é até bem construída, mas o terceiro ato, onde esperamos o grande clímax, o momento da verdade, a grande revelação é frustrante, e não entrega aos fãs de quadrinhos o que eles querem ver: belas cenas de confronto e luta.

4- Franquia: Esse é um filme claramente executado para ser uma franquia. Por isso, talvez, tenha recebido tantas críticas, pois as pessoas esperam um confronto final épico que acaba não acontecendo. Spoilers a parte, é claro que era de se esperar uma continuação, por isso o esforço tão grande em focar na apresentação dos personagens.

“Quarteto Fantástico” conta, basicamente, a história de cinco jovens (incluindo Victor) que tem que lidar com as consequências de terem sobrevivido a um horrível acidente que os deixaram com sequelas permanentes. É um filme comercial, mediano e de puro entretenimento. Faço votos sinceros de que a continuação pague o que esse filme comprometeu e seja melhor.

Confira o trailer:




quarta-feira, 5 de agosto de 2015

DIVULGADO TRAILER OFICIAL DE "DEADPOOL"

A Fox Film acaba de divulgar no seu canal no Youtube o trailer oficial do filme "Deadpool", em HD e legendado em português. O longa estrelado por Ryan Reynolds tem estreia prevista para fevereiro de 2016.

Confira a sinopse: Baseado no anti-herói não convencional da Marvel Comics, "Deadpool" conta a história da origem do ex-agente das Forças Especiais que se tornou o mercenário Wade Wilson. Depois de ser submetido a um desonesto experimento que o deixa com poderes de cura acelerada, Wade adota o alter ego de Deadpool. Armado com suas novas habilidades e um senso de humor negro e distorcido, Deadpool persegue o homem que quase destruiu sua vida.



Veja o trailer aqui: 


terça-feira, 4 de agosto de 2015

NA ONDA DE "MAGIC MIKE XXL", CONFIRA OUTROS FILMES DE STRIPTEASE


Aproveitando a estreia de "Magic Mike XXL", que conta a uma história de um grupo de strippers masculinos, confira uma lista com outros filmes que exploram a arte de despir-se em público:


1- Striptease (1996), de Andrew Bergman.
Com Demi Moore, Burt Reynolds e Ving Rhames


2- Showgirls (1995), de Paul Verhoeven
Com Elizzabeth Berkley e Kyle MacLachlan
Atenção! Esse filme é um bosta bomba. Assista por sua conta em risco.


3- Flashdance - Em Ritmo de Embalo (1983), de Adrian Lyne
Com Jennifer Beals e Michael Nouri
Esta é uma das sequências mais lembradas, com a dança da cadeira e um balde d'água.


4- Closer - Perto Demais (2004), de Mike Nichols
Com Julia Roberts, Jude Law, Clive Owen, Natalie Portman


5- Filmes do Robert Rodriguez
Rodriguez explora muito a "arte" do strip em seus filmes. "Sin City" 1 e 2, "Um Drink no Inferno" e "Planeta Terror" tem ótimas cenas com Jessica Alba, Salma Hayek e Rose McGowan, respectivamente.
Esta é a performance de Rose, em "Planeta Terror" (2007)


Menções honrosas:

True Lies (1994), de James Cameron. Jamie Lee Curtis interpreta uma hilária cena de striptease. Confira:

Família do Bagulho (2013), de Rawson Marshall Thurber. Jennifer Aniston é uma stripper disfarçada de mãe de família nesta comédia que também tem a aprticipação de Emma Roberts e Jason Sudeikis.


Austin Powers - 000 Um Agente Nada Discreto (1997) - Mike Myers nos brinca com uma strip que é tudo MENOS sexy.