quinta-feira, 30 de junho de 2016

PROCURANDO DORY - REVIEW


“Procurando Dory” é a aguardada sequência da animação “Procurando Nemo”, criada pelos estúdios Disney e Pixar em 2003, que estreia nos cinemas brasileiros nesta quinta-feira. 
Pelo recordes de bilheterias alcançados nos Estados Unidos em sua estreia na semana passada, já é possível concluir que aventura submarina é mais um acerto da parceria dos estúdios, e deve arrasar o box office também no Brasil e no resto do mundo.


Que a animação seria um sucesso comercial já era de se esperar (vale pontuar que “Independence Day”, que estreou no mesmo fim de semana, comeu poeria chegando apenas em segundo lugar), mas e quanto ao filme propriamente dito? Será essa coca cola toda? E a resposta é SIM, com letras maiúsculas e garrafais.


“Procurando Dory” não é só um filme divertido para a família, mas uma bela combinação de entretenimento que diverte e emociona. É engraçado quando tem que ser, arranca lágrimas em cenas emocionantes muito bem construídas e é fofíssimo ao extremo. Nada soa falso ou gratuito como em diversas animações supostamente para crianças mas que pecam pelo tom equivocado e muitas vezes de mau gosto (leia-se “Angry Birds”).


Um outro ponto positivo é o ritmo rápido com coisas acontecendo a todo tempo e sempre mesclando sacadas inteligentes em um roteiro bem amarrado e muito bem escrito. Andrew Stanton, roteirista de “Procrando Nemo”, “Wall-e” e dos três “Toy Story” é quem assina o texto da produção. Ou seja, o cara é realmente bom.


O longa traz mais uma vez os queridos personagens do primeiro filme: além de Dory, Marlin e Nemo estão mais uma vez na aventura que se misturam a novos personagens, como o polvo Hank (que no Brasil recebeu a voz de Antônio Tabet), as baleias Destiny e Bailey entre outros.
Na história, Dory está vivendo na anêmona com Marlin e Nemo e um dia algo acontece que engatilha uma lembrança da família dela. E assim como essa, outras lembranças vão aparecendo. O problema é que  do mesmo jeito que elas aparecem elas vão embora, pois a peixinha continua sofrendo de perda de memória recente. Mesmo assim, Dory se sente motivada a descobrir o que aconteceu com os pais dela, e arrasta seus amigos numa jornada através do Oceano, em busca de suas origens.


Se tem uma coisa que eu posso dizer sobre “Procurando Dory” é que vale muito a pena e realmente se equipara em qualidade ao primeiro filme.
Não perca tempo e corra para um cinema perto de você para conferir esse filmão!

Confira aqui o trailer:




2 comentários:

  1. Estou louco pra assistir Procurando Dory, todos estão falando que os personagens são muito fieis ao primeiro filme e que a história é linda

    ResponderExcluir